quarta-feira, março 09, 2005

Che-Bar (IV)

«Se esta equipa [Chelsea] ganha a Liga dos Campeões, é caso para todos se rirem do futebol. É um desastre. Porque têm muito dinheiro, mas não jogam nada. São muito defensivos, jogam no contra-ataque e são também muito intimidatórios. O FC Porto mereceu ser campeão da Europa porque jogava bom futebol», Samuel Eto'o

É complicado corroborar que o Chelsea é defensivo quando ontem aos 20 minutos já tinha marcado três golos. Mas há diferenças entre o Chelsea e o FC Porto de Mourinho. Nas Antas/Dragão, principalmente aí, Mourinho queria mandar nos jogos, deter a posse de bola, pô-la a circular de pé para pé naquele losango fatal do meio campo, dominando os acontecimentos, empregando aquela teoria de que «se a bola estiver em nosso poder não pode haver golo deles», e depois quando não a tinha, procurá-la o mais cedo e mais perto da baliza adversária possível, naquilo que os entendidos apelidaram de pressão alta. Foi quase sempre assim até à final (excepções no Riazor e em Old Trafford), a marcar o andamento da partida, a subjugar o adversário. A massacrá-lo mesmo.
Hoje, o mesmo Mourinho vencedor é mais pragmático na abordagem ao adversário e ao jogo. Ele sabe que não precisa de ter a maior percentagem de posse de bola, de impor o ritmo do jogo, aliás, até lhe dá jeito que sejam os outros a fazê-lo. Porque Mourinho sabe que tem extremos fabulosos para jogar no contra-golpe e que na frente há finalizadores terrivelmente eficazes, que só precisam de “uma bola” para sentenciar um jogo.
Pode não ser tão bonito, mas é igualmente válido e eficiente. Ontem foi também muito assim. Mourinho, em duas formas distintas de jogar, mostra que não tem par. No mínimo... brilhante.

1 Comentários:

Blogger Paulo "Voz de comando" Catarro diz...

O que no verão se apelidava de futebol feio, horrível etc, hoje compreende-se e até se diz brilhante e astuto.

Porquê da diferença? É que no verão era a Grécia, e agora é o Chelsea. Anos a esta parte era uma vergonha jogar como jogou em Barcelona ou em Londres. Mas antigamente eram as equipas italianas e agora como é o Chelsea, já tudo serve para vencer.

Como se o Mourinho estivesse a inventar alguma coisa.

Um gajo quando é bom é bom, não é preciso arranjar um sem números de desculpas para tudo o que faz.

11:10 da manhã  

Enviar um comentário

<< Página Principal

Avalie-me!